quinta-feira, 8 de novembro de 2018


Adeus…

O amanhecer empurrou para longe as sombras da noite e envolveu o meu mundo num abraço de lágrimas. E vai chorando as suas lágrimas de chuva…e chora em mim a falta que sinto de ti. Despertar para esta realidade em que apenas me sobra a tua ausência, fere a minha alma e amordaça o meu grito de desespero. E tudo passa a ser silêncio…

Foi esse silêncio que escreveu vezes sem conta as palavras que queria ouvir. Foi ele quem preencheu páginas desta minha vida, inventada num amor que apenas foi meu. Foi difícil viver as horas vazias de ti em que somente o meu amor batia ao ritmo dos ponteiros, marcando o compasso da minha solidão.

Foi difícil e por isso, hoje, neste amanhecer molhado de lágrimas, lavo a minha alma afogando a dor do meu coração numa despedida tardia mas ainda assim, bem-vinda!

Digo-te adeus meu amor sonhado e fecho a porta ao sentimento que sempre foi teu. Guardo-te numa caixinha de ilusão que um dia se fez sonho e encerro este capítulo do livro que queria ter escrito contigo. Muitas páginas ficaram vazias na espera de te ler…

Despeço-me deste sentimento que me embalou durante uma vida mas ainda assim, guardo-o para sempre no aconchego das memórias. Sei que quando a dor amenizar, a lembrança de ti será apenas uma leve saudade de um amor bonito que nasceu sem aviso... e sem retorno.

Já não faz sentido partilhar as minhas emoções nem sequer confessar-te o quanto me fazes falta. Não vou mais pintar telas de sensações e por isso guardo os pincéis já gastos mas ainda tão cheios das tuas cores.

Guardo-te meu amor, neste mundo que foi só meu e deixo-o navegar à deriva na minha alma até se perder para sempre num horizonte longínquo onde não haja mais dor.

Perdoa-me se te amei demais e se hoje, em nome desse amor, me afasto de ti.

SonsCalados

sexta-feira, 2 de março de 2018

Um café e uma torrada



Um café e uma torrada. O pequeno-almoço que o tempo sem ti, me permitiu preparar. Agora é saboreá-lo com um travo de saudade.
Ando sempre a correr, até mesmo quando estou quieto, parado aqui perto de ti. Talvez seja o medo de ver o tempo fugir-me e com ele, a presença de quem gosto. Assim, o meu pequeno-almoço vai variando com a urgência que tenho em estar contigo...O que acontece todos os dias. Sabias que tem dias que até me esqueço? A tua presença alimenta-me a alma e esse momento é tão precioso que não há nada que me apeteça mais do que estar contigo.

E hoje o dia não é diferente. A tua ausência envolve-me com o manto doce da saudade. Um manto que me envolve e me aquece. Não é uma saudade que magoa...que dói. É uma doçura que se entranha no meu ser, que me corre nas veias e traça as linhas do meu pensamento. É uma saudade que abraça, que beija e que mantém o desejo aconchegado no sonho.

Assim, com uma chávena de café e uma torrada, com a tua ausência como companhia e a tua saudade que me envolve, começa o dia. Um dia que provavelmente passará sem ti, mas que de alguma maneira, que ainda não sei explicar, será um dia lindo só porque eu sei...e tu sabes...que estás na minha vida!

SonsCalados